Blog Biologia | Prof. Fernando Belan
 
 
 
 
Publicidade
22 Jul
Revisão: Grupos Sanguíneos 22:45
Revisão: Grupos Sanguíneos
INTRODUÇÃO

Landsteiner foi um cientista que, ao observar muitos acidentes em transfusões,  provou entre 1900 e 1901 que a espécie humana possui grupos sanguíneos diferentes. Notou-se em testes que as hemácias do doador, em alguns casos, aglutinavam em contato com plasma do sangue do paciente.

A partir disso, foi possível relacionar o fenômeno das reações entre anticorpos e antígenos.

Antígenos são todas as substâncias que nosso organismo entende ser um “invasor”, podendo ser uma proteína ou um polissacarídeo e os anticorpos são proteínas encontradas no plasma sanguíneo e têm a função de neutralizar ou destruir a substância invasora. Isso só é possível, pois o anticorpo tem uma forma complementar à do antígeno, sendo a reação antígeno-anticorpo específica.

GRUPOS SANGUÍNEOS

Os seres humanos apresentam quatro grupos sanguíneos:

o Grupo A: Possuem antígeno chamado aglutinogênio A;
o Grupo B: Possuem antígeno chamado aglutinogênio B;
o Grupo AB: Possuem os dois antígenos, aglutinogênio A e B;
o Grupo O: Não possuem nenhum dos dois antígenos.

O gene A (ou IA) determina a formação do aglutinogênio A, o gene B (ou IB) determina a formação do aglutinogênio B, o gene O (ou i) não forma nenhum aglutinogênio e os genes A e B determinam a formação dos alutinogênios A e B. O plasma também possui anticorpos chamadas aglutininas são estas que causam os acidentes em transfusões, pois indivíduos do grupo A possuem aglutininas Anti-B, do grupo B possuem aglutininas Anti-A e os do grupo O possuem as duas aglutininas e os indivíduos AB não possuem nenhuma dessas substâncias (TABELA 1).



TRANSFUSÕES 

Em caso de erro na transfusão, o sangue do doador será aglutinado pelo plasma do paciente resultando na obstrução de vasos sanguíneos, contudo os glóbulos brancos do paciente destruirão as hemácias que seriam como “invasoras” para as nossas células  de defesa. Ao destruir as hemácias, hemoglobina e outras substâncias são liberadas podendo causar lesões renais, reações alérgicas e outras, o que pode resultar em morte.

FATOR Rh

O fator Rh depende de um antígeno nas hemácias, é diferente dos aglutinogênios. O Rh+ é responsável pela presença de antígenos, e possui o alelo dominante D (ou Rd) e o Rh- é responsável pela ausência do antígeno e possui alelo d (ou rh). Quando em um casal, um indivíduo possui Rh- possuindo alelo dd e o outro Rh+, Dd há duas possibilidades, sendo 50% Dd (Rh+) e 50% dd (Rh-).

Em casos em que a mãe possua Rh- e o filho Rh+, as hemácias do filho passam para a circulação da mãe, durante a gravidez e, principalmente, durante o parto. O organismo da mãe, então,  estimula a produção do anticorpo anti-Rh.  Por não ter uma produção rápida, o primeiro filho nascerá sem problemas, mas, em uma próxima gestação, os anticorpos concentrados no sangue da mãe, atravessam a placenta resultando na aglutinação das hemácias do feto. A criança desenvolve uma doença chamada eritoblastose fetal ou doença hemolítica do recém-nascido (DHRN).

Essa doença nos casos mais graves pode levar à morte, pois ocorre aborto involuntário. Se a criança nasce, é submetida a troca gradativa de seu sangue por sangue Rh-, e serão substituídas naturalmente. Outra forma de prevenção é a mãe Rh-,  logo após o parto, receber uma aplicação de anti-Rh. Dessa forma, os anticorpos destroem as hemácias positivas deixadas pelo feto e a mãe que continuará sendo Rh- poderá novamente engravidar sem correr risco para o feto, mesmo ele sendo Rh+, pois será como se fosse a primeira gravidez.

Fazer um comentário neste post:

Comentar

Comentários

  • Nenhum comentário até agora. Seja o primeiro a comentar!

Voltar