Blog Biologia | Prof. Fernando Belan
 
 
 
 
Publicidade
15 Jan
Gatos sempre caem de pé? 09:01
Gatos sempre caem de pé?
Como gatos têm uma clavícula (osso que liga o tronco aos membros superiores) pequena e sem função, é como se ela não existisse

Na maioria das vezes, sim, mas não em todos os casos. Dentre os fatores envolvidos, o principal é a altura – o gato precisa de pelo menos meio metro para conseguir rotacionar o corpo. Além disso, também são variá-veis importantes a idade do gato, doenças que ele tem (ou já teve e influenciaram em sua formação) e se ele estava dormindo quando caiu. Mas, em geral, um gato adulto e saudável cai em pé, sim. Isso é possível graças a seus ossos flexíveis e a um reflexo chamado “síndrome do gato paraquedista”. Durante a queda, a cabeça do animal fica em posição desconfortável e ativa um conjunto de órgãos responsáveis pelo equilíbrio dos mamíferos, o sistema vestibular. Em fração de segundos, a musculatura rotaciona em direção ao solo e coloca o gato em uma posição que aumenta o atrito com o ar, reduzindo a velocidade da queda e do impacto. Mas não se engane: cair em pé não significa que os gatos não se machuquem ao despencar de lugares altos. Lesões internas e ossos quebrados podem acontecer. Se rolar com seu bichano, leve-o ao veterinário.




1. A cabeça em posição irregular faz aumentar a pressão no sistema vestibular, que fica dentro do ouvido do gato (e de todos os mamíferos) e auxilia na orientação

2. Dentro de um décimo de segundo, o cérebro manda impulsos elétricos para a musculatura virar o corpo. A cabeça é a primeira parte a girar, de modo que os olhos estejam virados para baixo

3. Enquanto a parte inferior do corpo rotaciona ainda de acordo com o movimento de queda, a parte superior já começa a girar no sentido oposto. Como gatos têm uma clavícula (osso que liga o tronco aos membros superiores) pequena e sem função, é como se ela não existisse. Assim, eles têm mais flexibilidade para mover as patas dianteiras

4. Seguindo a direção da parte superior do tronco, as patas traseiras giram e se alinham às outras. A cauda ajuda a estabilizar o felino. As patas dianteiras ficam estendidas para baixo. Elas ajudam o gato na orientação durante a queda e reduzem o impacto

5. O gato arqueia a coluna e estende as patas, aumentando o atrito com o ar e diminuindo a velocidade com que chega ao chão. Devido à sua baixa densidade óssea e ao porte pequeno, o gato reduz bastante a velocidade de queda

Fonte:


Fazer um comentário neste post:

Comentar

Comentários

  • Nenhum comentário até agora. Seja o primeiro a comentar!

Voltar