Blog Biologia | Prof. Fernando Belan
 
 
 
 
Publicidade
01 Jun
Mexilhão-dourado - espécie introduzida por água de lastro no Brasil. 19:42
Mexilhão-dourado - espécie introduzida por água de lastro no Brasil.
O mais recente caso de invasão de espécies exóticas com sucesso no Brasil é o do mexilhão-dourado (Limnoperna fortunei). Esse pequeno bivalve de água doce tem cerca de 4 cm de comprimento e é originário do sul da Ásia. Em 1991 foi feito o primeiro registro da espécie na América do Sul, que deve ter chegado na água de lastro1 de navios. Estabeleceu-se no rio da Prata, na região de Buenos Aires, Argentina. No Brasil, o primeiro registro aconteceu em 1999, na praia de Itapuã e em Porto das Pombas, situados no município de Viamão (RS), ao sul do lago Guaíba. Por se incrustar em tubulações, L. fortunei já está causando problemas nos equipamentos da Estação de Tratamento de Águas de Punta Lara, no rio da Prata, reduzindo a eficiência das bombas e alterando o funcionamento normal do sistema, entre outros problemas. Em 2001, o mesmo mexilhão foi detectado em três unidades da usina hidrelétrica de Itaipu (PR), o que confirma que L. fortunei já invadiu o Brasil e está se estabelecendo com sucesso.

É impossível prever que impacto terá a introdução de uma espécie não nativa. Mesmo que não mostre impacto negativo em sua área de origem, essa espécie pode trazer efeitos dramáticos quando invade novos ambientes. No Brasil, o crescimento da população do mexilhão-dourado é intenso, chegando a colonizar cerca de 240 quilômetros por ano. Nas estações de captação de água no rio Guaíba, em Porto Alegre (RS), esses bivalves ocorrem incrustados, nas tubulações, tomando até 100 metros de canos, prejudicando a vazão da água. O problema tem sido contornado, em partes, por mergulhadores que de dois em dois meses fazem a limpeza desses canos, removendo esses animais.

1 - Água de lastro é a água recolhida do mar e armazenada em compartimentos específicos de grandes navios, para aumentar a estabilidade.

Sônia Lopes & Sérgio Rosso. Conecte Bio. Vol. 1, Ed. Saraiva pg. 151. 2011.

Fazer um comentário neste post:

Comentar

Comentários

  • Nenhum comentário até agora. Seja o primeiro a comentar!

Voltar