Blog Biologia | Prof. Fernando Belan
 
 
 
 
Publicidade
23 Ago
Como o cacto sobrevive no deserto? 08:58
Como o cacto sobrevive no deserto?
Por meio de um inteligente conjunto de adaptações que desenvolveu ao longo de sua evolução. Há dezenas de espécies diferentes, com alguns "espinhões" chegando a medir quase 20 metros de altura, enquanto outros não passam de 1 centímetro. Os cactos também têm flores, e alguns dão até frutos comestíveis, como o figo-da-índia, que, apesar do nome, nasce de uma variedade tipicamente mexicana.


GORDINHO SAUDÁVEL
Alguns cactos ainda foram além nas artimanhas para sobreviver. Os simpáticos cactos em formato de bola chegaram ao desenho perfeito: combinam a maior capacidade de armazenamento com a menor superfície exposta, podendo guardar muita água e sofrer a mínima transpiração possível

CAMELO VEGETAL
Veja como os cactos conseguem passar meses sem chuva

OURIÇO VERDE
Em geral, as folhas são a área em que uma planta mais perde água. Como não podem se dar a esse luxo, em vez de folhas os cactos têm estruturas modificadas, os espinhos. A pele espinhosa ainda ajuda na proteção contra animais à procura de um golinho d'água na polpa do cacto.

PAU-DE-SEBO
O caule de muitas espécies é revestido de um tipo especial de cera. Essa cera faz com que a água da transpiração da planta não se espalhe demais e evapore - ao contrário, as gotinhas escorrem para o solo, onde são reabsorvidas pelas raízes

CANTIL NATURAL
As células do córtex, no caule, são adaptadas com paredes flexíveis. Em épocas de chuva, dilatam para armazenar bastante água; quando rola a seca, elas murcham, doando água para que outras células importantes, como as que fazem fotossíntese, possam sobreviver

PAPA-TUDO
É tão raro chover no deserto que, quando isso rola, os cactos precisam pegar o máximo de água, o mais rápido possível, antes que ela evapore. Para isso, contam com um emaranhado de raízes que ficam próximas à superfície e se estendem por uma área bem grande.

 FONTE:

Fazer um comentário neste post:

Comentar

Comentários

  • Nenhum comentário até agora. Seja o primeiro a comentar!

Voltar