Blog Biologia | Prof. Fernando Belan
 
 
 
 
Publicidade
Quantas cores você consegue enxergar nessa imagem? Faça o Teste!



Calma, não estamos trazendo a polêmica do vestido de volta. Mas você já se perguntou se as cores que você enxerga são as mesmas que o resto do mundo vê? Provavelmente não. Quer uma prova?

Faça esse teste criado pela especialista norte-americana Diana Derval - basta contar quantos tons diferentes você vê na imagem. O número pode revelar a quantidade, da distrobuição e dos tipos de cones receptores de cores que você tem nos olhos. Sim, isso tudo pode mudar de pessoa para pessoa:

Enxergou menos de 20 tons? Você é um dicromata - possui apenas dois tipos de cones nos olhos, assim como Leia mais
Humanos conseguem distinguir apenas 30 tons de cinza.
De acordo com a Popular Science, humanos conseguem distinguir, em média, 30 tons de cinza. Claro, esse número pode variar uns dois ou três tons para cima ou para baixo dependendo de texturas e iluminação, mas a média é essa. É, parece que ver 50 tons de cinza seria meio ambicioso...



Quer um exemplo? Na imagem acima,  a barra do meio tem apenas um tom - o que mostra como podemos ver a cor de forma diferente dependendo do seu pano de fundo.

Outro exemplo - na ilusão abaixo, o quadrado A é da mesma cor que o quadrado B:



Já a nossa visão 'em cores' é mais rica. Cientistas … Leia mais
Por que ficamos vermelhos quando sentimos vergonha?
Porque diante de uma situação de constrangimento, de stress ou até de medo, nosso corpo libera o hormônio adrenalina, que aumenta o fluxo de sangue e dilata os vasos sanguíneos do rosto, ocasionando a vermelhidão. O responsável por isso, explica o dr. Ricardo Arita, neurofisiologista da Unifesp, é o sistema nervoso simpático, que reage de forma involuntária a essas situações. Além da vasodilatação, os efeitos da adrenalina - que não ultrapassam três minutos - são o aumento do batimento cardíaco, a aceleração da respiração, a dilatação da pupila e a produção acelerada de suor com odor mais … Leia mais
Por que os Cães entrerram ossos?
Por herança genética. Os lobos, seus ancestrais, enterravam restos de presas para sobreviverem quando a caça era escassa. Hoje, embora isso não beneficie cães domésticos, que comem ração, é difícil que desapareça. "É preciso muito tempo para o comportamento sumir. Os genes transmitem informações que se tornam naturais aos descendentes", explica Denise Falck, especialista em comportamento de cães e gatos pela PUC-PR.

Além de enterrarem ossos, os cães também dão voltas e afofam lugares antes de se deitarem, como os lobos checavam o solo e se preveniam de algo que pudesse machucá-los. "Esse é … Leia mais
Conheça a lesma-do-mar que faz FOTOSSÍNTESE!
Existe uma lesma do mar verde, que vive na região da Nova Inglaterra e Canadá, e que é parcialmente animal e parcialmente vegetal. É o primeiro animal multicelular conhecido capaz de produzir clorofila a (a mais habitual das clorofilas das plantas, e a única que existe em todas elas).

As plantas utilizam suas organelas celulares, os cloroplastos, para crescer, fixando o CO2 em moléculas orgânicas, graças à energia proveniente da luz captada pelas moléculas de clorofila. Este processo chama-se fotossíntese.

Sydney Pierce, biólogo da Universidade de South Florida, tem 20 anos de … Leia mais
Vídeo - Cachorro volta a correr com patas artificiais criadas por impressora 3D. - CLIQUE AQUI
CLIQUE AQUI e veja o vídeo.

Derby nasceu com suas patas dianteiras atrofiadas. Foi adotado temporariamente por Tara, uma diretora da 3D Systems, uma empresa que vende impressoras 3D e cria próteses sob medida como mãos e pernas.

Tara e sua equipe criaram um par de pernas dianteiras impressas em 3D para Derby que agora corre muito mais que seus donos e não se cansa nunca.

Impressoras 3D também devolvem membros para pessoas, crianças, já forneceram “peças” para substituir crânios e até mesmo rostos humanos e inúmeras outras criações impressionantes.



Os 10 invertebrados mais perigosos.
Muito já foi escrito sobre criaturas da natureza que, apesar de pequenas, são capazes de infligir sérios danos à pessoa que tiver a má sorte de dar de cara com elas. Mas geralmente pensamos em animais com certa complexidade no organismo. O perigo, no entanto, pode vir de bichos que nem chegam a ter sistema ósseo. Eis uma lista com dez destas ameaças sem esqueleto:

10. Ouriço-de-fogo


Passar as férias no Havaí ou na Austrália é um lazer que envolve alguns riscos. Um deles é pisar em um ouriço-de-fogo (Astropyga radiata), que habita as águas do Pacífico. Com um corpo que não passa de … Leia mais
Como é feita uma ponte de safena?
Essa cirurgia cardíaca consiste em retirar parte da veia safena, que fica na perna, para religar artérias do coração obstruídas por placas de gordura. Com a nova ligação, chamada de ponte pelos médicos, é possível normalizar a circulação de sangue no local e evitar um infarto fatal.

O desenvolvimento dessa cirurgia pode ser considerado um feito multinacional: ela foi realizada pela primeira vez nos Estados Unidos (em 1967), por um médico argentino (Renné Favaloro). Desde então, a ponte de safena passou por vários aperfeiçoamentos. Antes era comum, por exemplo, que durante a operação o … Leia mais
Por que as pessoas que tiveram um membro amputado continuam a senti-lo?
O processo parece um curto-circuito, que faz o cérebro receber mensagens vindas do nervo que antes servia o membro retirado. Isso acontece porque todos os nossos nervos são protegidos por uma membrana chamada mielina - semelhante ao plástico isolante que envolve fios elétricos. Quando um membro é amputado, a mielina se rompe, deixando o nervo desprotegido - igual a um fio desencapado.

"Durante a cicatrização, é possível que nas extremidades desses nervos se formem pequenos nódulos, chamados neuromas. Como não existe mais mielina no local para isolar os nervos, os neuromas podem desencadear … Leia mais
Em zoologia chama-se ecdise ou muda ao processo de mudança do exosqueleto nos animais que apresentam este modo de crescimento e que, por esse motivo, foram agrupados num clade denominado Ecdysozoa. Pertencem a este grupo os artrópodes, os nemátodes, os Nematomorpha, os Tardigrada, os Onychophora, os Loricifera, os Priapulida e os Cephalorhyncha.

O processo da ecdise nos Ecdysozoa é controlado por hormonas chamadas ecdisteróides.

A capacidade de mudar o exosqueleto é uma estratégia evolutiva com várias vantagens, principalmente para animais pequenos que vivem na água ou que voam. Em … Leia mais