Blog Biologia | Prof. Fernando Belan
 
 
 
 
Publicidade
Por que às vezes nosso espirro
Simples! Porque a vontade passa. Mas, para entender por que ela passa, é preciso, antes, saber que o espirro é um mecanismo de defesa do nosso nariz contra partículas ou substâncias que causem irritação na mucosa nasal - da mesma forma que a tosse é um mecanismo de defesa dos nossos pulmões. Poeira, pólen, pelo de animais, ácaros ou substâncias voláteis, como perfumes e produtos de limpeza, são alguns dos agentes causadores do espirro. Quando essas substâncias entram em contato com a mucosa do nariz, provocam irritação e acionam no organismo um mecanismo de defesa para expulsá-las. "Ao … Leia mais
O BIOLOGIA MAIS revisa nesta vídeo-aula a FISIOLOGIA do sistema respiratório, transporte dos gases, pressões parciais de O2 e Co2, saturação da hemoglobina, controle da respiração, curva de saturação (efeito Borh) e compara hemoglobina do adulto, fetal e mioglobina. Termino falando dos problemas do
O BIOLOGIA MAIS revisa nesta vídeo-aula a anatomia do sistema respiratório, todos seus componentes e função de cada parte. Expilca também o processo de hematose que ocorre nos alvéolos e por fim aborda os movimentos de inspiração e
Por que picada de pernilongo coça?
A coceira é fruto de uma reação alérgica e de defesa do nosso organismo contra a picada do danado do inseto. Quando um pernilongo nos pica, um pouco de sua saliva, contendo anestésicos, anticoagulantes e outras substâncias, é injetada em nossa pele. Imediatamente, nosso sistema imunológico entra em ação e células "sentinelas" chamadas mastócitos liberam histamina e outros agentes de defesa para combater a invasão. A histamina eleva a circulação de sangue no local, o que deixa a pele vermelha e inchada, mas também aumenta a presença de células protetoras no local. Só que um efeito desagradável … Leia mais
O que é esclerose múltipla?
A esclerose múltipla é uma doença neurológica que afeta milhares de pessoas no mundo. Ela se caracteriza pela deterioração do estrato mielínico em intervalos irregulares ao longo dos neurônios. Nos locais onde ocorre a deterioração surge um tecido de cicatrização. Essas alterações interferem na condução dos impulsos nervosos, e a pessoa afetada sofre perda de coordenação, tremores e paralisia parcial ou completa de partes do corpo.

As causas dessa doença têm sido muito investigadas, mas ainda não são totalmente compreendidas. Parece ser um tipo de doença autoimune, na qual o organismo … Leia mais
O tecido muscular se regenera após uma lesão?
No indivíduo adulto, os três tipos de tecidos musculares respondem de forma distinta quando ocorre lesão por destruição parcial do músculo.

Na musculatura esquelética, entram em ação as células satélites que reconstituem o tecido, em vez que as células musculares adultas não se dividem mais.

Já o músculo cardíaco só é capaz de se regenerar após lesões nos primeiros anos de vida do indivíduo. Depois, forma-se uma cicatriz no local lesado, por proliferação de tecido conjuntivo.

As células musculares lisas, por outro lado, mantêm a capacidade de se dividir e conseguem reparar o músculo … Leia mais
Exercícios e o aumento da massa muscular esquelética
Sabemos que exercícios físicos promovem o aumento da musculatura esquelética, mas o que aumenta: o número de células no músculo ou o volume das células já existentes?

A atividade física estimula as células musculares esqueléticas já existentes a produzirem novas miofibrilas, o que ocasiona aumento do volume da célula e consequentemente do músculo.

No indivíduo adulto, as células da musculatura esquelética não se dividem mais. No entanto, existem células especiais, chamadas satélites, que são mononucleadas e pequenas e se localizam no conjuntivo que envolve os miócitos. Em situações … Leia mais
A coagulação do sangue.
Quando ocorre um ferimento com sangramento, as fibras musculares do vaso sanguíneo danificado contraem-se, diminuindo o diâmetro do vaso e consequentemente o fluxo de sangue.

As plaquetas e as células dos tecidos lesados liberam uma enzima chamada tromboplastina, que, na presença de íons cálcio e de vitamina K no sangue, catalisa uma reação química propiciando a transformação de uma proteína plasmática chamada protrombina em uma enzima ativa, a trombina. Essa enzima catalisa a reação de transformação de outra proteína plasmática, o fibrinogênio, em fibrina. Esta forma uma rede de fios no … Leia mais
A anemia é uma doença que pode ter várias causas. Uma delas é a redução do número de hemácias no sangue abaixo do mínimo considerado normal, o que pode ser causado por hemorragias constantes, produção insuficiente de hemácias na medula óssea e destruição acelerada de hemácias.

No entanto, muitas vezes o número de hemácias é normal, mas cada uma delas contém pouca hemoglobina, o que também pode provocar anemia. Assim, nos exames de sangue geralmente são fornecidos dados sobre o número de hemácias e sobre a quantidade de hemoglobina. A redução da quantidade de hemoglobina pode ser decorrente … Leia mais
Video-Aula 02. O site Biologia Mais revisa nesta video-aula os tipos de revestimentos celulares, como parede celular, glicocálix e membrana plasmática. A composição das paredes, a função do glicocálix e componentes e modelo mosaico fluido da membrana.