Blog Biologia | Prof. Fernando Belan
 
 
 
 
Publicidade
UFGD 2008: Questões comentadas
01. (UFGD 2008) O herodograma abaixo se refere a uma família com casos de daltonismo (anomalia que se caracteriza pela incapacidade de diferenciar todas ou algumas cores) provocado por genes recessivos localizados no cromossomo X (sem alelos no Y).




A partir das informações acima e da análise do herodograma, marque a alternativa correta.

a) No casal genitor o genótipo da mãe é obrigatoriamente heterozigoto.
b) Em F1 o genótipo da filha que não possui o caracter é XD, XD.
c) Em F1 um possível genótipo do filho que não possui o caracter é Xd,YD.
d) A probabilidade do casal F1 ter … Leia mais
É possível detectar um aneurisma antes de ele se romper?
Sim, é possível detectar um aneurisma cerebral – uma dilatação anormal de uma artéria do cérebro – antes que ele se rompa. Essa seria a situação ideal, pois o rompimento de um aneurisma é uma situação grave.

Algumas vezes, o aneurisma não rompido pode desencadear alguns sintomas inespecíficos devido à compressão que causa em estruturas cerebrais vizinhas, por exemplo, dor de cabeça (cefaleia) persistente, crise convulsiva, zumbidos e, eventualmente, comprometimento de alguma função neurológica.

Quando há suspeita de aneurisma, o diagnóstico pode ser obtido por meio de exames como a … Leia mais
Por que depois de comer a gente fica com sono?
Porque o fluxo sanguíneo aumenta na direção do estômago e do intestino, para ajudar no processo da digestão, e o sistema nervoso fica menos irrigado. Com menos sangue chegando, diminui também o transporte de oxigênio. "Quando existe menos oxigênio no cérebro, o organismo entra em estado de falsa hibernação e, por isso, sentimos sono", afirma a nutricionista paulista Vanderli Marchiori.

Essa é a explicação fisiológica clássica, mas, recentemente, uma equipe de cientistas da Universidade de Manchester, na Inglaterra, apontou outro fator envolvido nessa questão. Eles descobriram um mecanismo … Leia mais
UFGD 2006: Questões comentadas
01. (UFGD 2006) O nitrogênio (N2) e um gás presente na atmosfera na proporção de aproximadamente 79%. Apesar disso, não e utilizado de forma direta pelos seres vivos, com exceção de alguns microorganismos. Assim, a importância biológica das bactérias que atuam no ciclo do N2 refere-se ao fato de

a) serem fixadoras de N2 atmosférico, transformando-o em amônia (NH3);
b) as bactérias quimiossintetizantes transformarem N2 atmosférico em nitreto;
c) as bactérias desnitrificantes transformarem o N2 atmosférico em nitrato;
d) as bactérias fixadoras ou cianobacterias serem encontradas livres no … Leia mais
Qual a diferença entre cogumelo comestível, venenoso e alucinógeno?
Como existem muitas espécies de cogumelos - fala-se em 1,5 milhão - e nenhuma característica física denuncia a presença de veneno ou substâncias alucinógenas, é muito difícil (e perigoso) diferenciá-los no "olhômetro". Para piorar as coisas, estima-se que nem 5% das espécies estejam classificadas na literatura biológica. Isso significa que nem um micologista (especialista em fungos) muito experiente pode enfiar na boca um cogumelo achado no meio da floresta. Mesmo que ele se pareça muito com uma espécie comestível, é bom desconfiar, afinal um mesmo gênero pode ter espécies que matam, deixam … Leia mais
Resolução da lista de exercícios para a prova bimestral do 1º Ano do colégio Alexander Fleming 2013.

Assunto: Respiração celular, Fermentação alcoólica, fermentação láctica, Fotossíntese, PCL,
Histologia: Tecidos epiteliais e tecidos
Proteína de lagarta age contra vírus do sarampo e H1N1
Mais da metade de todas as espécies animais conhecidas são insetos. Mas como espécies com um sistema imune tão pouco desenvolvido – principalmente se comparado aos mamíferos – evoluíram ao longo de 350 milhões de anos e sobrevivem hoje nos mais diversos ambientes do planeta, até nos mais hostis?

Estudos indicam que o segredo está em substâncias presentes na hemolinfa, o fluido que exerce a função de sangue nos insetos. Trata-se, no geral, de substâncias que, nesses animais, têm a capacidade de combater vírus, bactérias e fungos. Tem, portanto, potencial para reduzir a ação dos … Leia mais
Se o sangue é vermelho, por que nossas veias são verdes?
Na verdade, nossas veias não são verdes, mas, sim, mais esbranquiçadas. Nós as enxergamos esverdeadas por causa do fenômeno óptico decorrente da mistura entre a cor do sangue e a de nossa pele. A coisa acontece assim: o sangue que passa pelas veias é rico em dióxido de carbono (CO2) - não custa lembrar, as veias levam o sangue dos órgãos de volta ao coração, enquanto as artérias carregam o sangue rico em oxigênio do coração para o resto do corpo. Ocorre que a alta concentração de CO2 confere ao sangue um tom vermelho mais escuro. É a combinação dessa tonalidade do sangue venoso com o amarelão … Leia mais
Por que a neve é branca se o gelo é transparente?
Pela mesma razão que uma bolha de espuma é transparente, mas a espuma toda é branca. A primeira coisa que a gente precisa esclarecer é que o gelo não é totalmente transparente - ou seja, os raios de luz que iluminam o gelo não passam direto por ele. Os cientistas dizem que o gelo é translúcido: isso significa que os raios de luz que incidem sobre ele não saem na mesma direção em que entram. Esse lance rola porque tanto os cubos de gelo quanto a neve são formados por minúsculos cristais de gelo. Quando esses cristais são iluminados, cada um deles desvia um pouquinho os raios de luz. No caso do … Leia mais
O soro da verdade funciona?
Não como todo mundo pensa. Várias substâncias entorpecentes e sedativas, incluindo o ecstasy, a maconha e o LSD, já foram utilizadas como “soro da verdade” desde que o termo surgiu, no início do século 20. Mas, até hoje, nenhuma pesquisa científica conseguiu descobrir uma droga que faça a pessoa perder o controle de si e falar somente a verdade. A ONU é contra o uso desse tipo de substância e, para a Anistia Internacional, utilizar supostos soros da verdade em interrogatórios é considerado um meio de tortura.

A VERDADE DÓI

Soros foram usados por décadas, mesmo com efeitos colaterais e … Leia mais